Rádio Cantareira Blog Willian Delarte e a Brasilândia, difinitivamente no mapa da literatura periférica

Willian Delarte e a Brasilândia, difinitivamente no mapa da literatura periférica



Autor dos Livros Sentimento do Fim do Mundo, em 2011 pela Editora Patuá, Cravos da Noite, contos, pela própria Patuá em 2014, O Alien da Linha da Azul, poesia, pela Edições Incendiárias em 2016, e A Lua nos Olhos de Maria em 2018, O escritor Willian Delarte reforça o coro de escritores e escritoras que colocam a Brasilândia no mapa da Literatura periférica.

Aproveitando o ensejo das comemorações da venda de 500 exemplares do Livro A Lua nos Olhos de Maria e seu lançamento no solo em que foi produzido, conversamos com Willian sobre sua produção literária, a escrita na periferia, os desafios da publicação e prospecção de novos e novas leitores e leitoras.

Confiram

RC: Wilian fale sobre o Livro “A Lua nos Olhos de Maria”, a inspiração, tempo de escrita e publicação.

WD: A Lua nos Olhos de Maria me surgiu numa manhã em que simplesmente me lembrava dos olhos da minha filha. Costumo dizer que esse livro é a história desses dois olhos, como se esse olhar fosse uma lua que clareia as trevas da noite. Da minha noite. Então, apenas me veio, como que do nada, esse início: “Conta-se que naquela noite a Lua caiu na Terra para habitar os olhos de Maria…”. A partir daí todo o resto me veio na sequência, e passei a tomar nota. Nessa mesma manhã o livro estaria finalizado de uma tacada só, coisa difícil de ocorrer, e que devo, talvez, a essa síncope total que foi e está sendo a recente paternidade pra mim.

Maria Flor é o nome da minha filha, no livro a personagem é somente Maria, e trata-se de uma moradora de rua que tem o poder de revelar a verdadeira essência das coisas a partir de seu olhar feito um farol. Por isso também será perseguida. Não é uma história de todo “bonita e feliz”, há muito abandono e questionamentos profundos que cercam esse enredo. Nesse sentido, a semelhança com minha pequena começa no nome e termina nos olhos.

A publicação também veio mais ou menos num acaso. Estava apoiando a ideia do meu amigo e escritor Ni Brisant, ideia dele criar seu selo próprio, um selo para publicar livros leves, que cabem na palma da mão, como ele diz… E estávamos estudando a possibilidade dele publicar outro projeto de contos curtos que tenho. Nas trocas de e-mails, acabei enviando o texto da Lua para que ele lesse apenas. Quando sentamos pra conversar, ele me disse enfaticamente que iríamos publicá-lo, não me deixou escolhas. Surgiu-se então a ideia de ilustrá-lo a partir de desenhos feitos por crianças. Reuni meus quatro sobrinhos e minha filha e contei a estória, deixando livre os desenhos que pudessem surgir. O resultado foi incrível e, com a sensibilidade e talento do Mixel Nogueira na diagramação e designer gráfico, conseguimos um resultado que vem encantando a todos e todas. Em setembro de 2018 lançamos ao mundo esse pequeno rebento que é completamente diferente do que tinha publicado até hoje, e pela primeira vez para um público também que nunca me havia dirigido de maneira tão direta. Mas é literatura, literatura para todas as idades, gosto de pensar assim. E são os grandões e grandonas que mais estão curtindo.

RC: Como tem sido o retorno dos leitores e leitoras?

WD: O retorno tem sido o melhor possível. As crianças e adolescentes percebem a interatividade, o fato de também poder desenhar em páginas brancas que deixamos no miolo, e se encantam com isso. Os que gostam de literatura e poesia têm elogiado muito a delicadeza poética dessas linhas, recebi inúmeros relatos de experiências emocionadas e isso tem me deixado muito feliz.

RC: Quais desafios de escrever para o publico infantil?

WD: Penso que o desafio seja encontrar uma linguagem que as toque. Por outro lado, sei o quanto a linguagem fantástica e poética são de fácil acesso para o público infanto-juvenil. Nesse livro eu meio que junto as duas coisas que mais forte se encontram em minha bibliografia até aqui, a prosa realista-fantástica e a poesia, de um modo geral. Nesse sentido, esse desafio não foi um problema, foi como se eu já estivesse num campo onde os jogadores e as regras do jogo fossem bastante conhecidos.

RC: Literatura e Periferia, como é seu olhar sobre os escritos e escritores do nosso bairro?

WD: Há muitos anos eu acompanho o Sarau da Brasa e ali tenho tido contato com muito do que é produzido em nossa Brasilândia. Acho tudo de uma potência incrível. No meu livro anterior, O Alien da Linha Azul, por exemplo, eu tentei trazer a potência desse sarau e de outros periféricos que tenho contato. Penso que esse livro acabou se tornando uma conversa entre tudo o que estava sendo feito em matéria de poesia periférica, ou seja, esse tema e esse olhar há muito já está entranhado em tudo o que faço. Penso que minha prosa também se modificou muito ao longo do tempo, na medida em que fui me “marginalizando”. E gosto mais assim, parece-me mais sanguíneo, mais real. Literatura, inclusive a fantástica, descolada do real, não me interessa. Não por acaso Maria, nesse meu novo livro é uma moradora de rua. O lugar de fala é sempre escolha do escritor e o meu penso que já está mais do que claro onde se encontra.

RC: Quais desafios de se publicar no Brasil?

WD: Todos. Todos e mais um pouco. Mas não quero focar nisso. Enquanto a maioria foca nos não resultados e nas dificuldades, a gente vai escrevendo e botando na rua, não importa como. Literatura é potência de vida. Existe para arrombar as portas, não para pedir “com licença”.

RC: Obras, textos e trajetória artística de Willian Delarte, nos conte;

WD: Lancei meu primeiro livro de poesia em 2011 pela Editora Patuá. Sentimento do Fim do Mundo. De lá pra cá foram mais três autorais: em 2014 o Cravos da Noite, contos, pela própria Patuá; em 2016 O Alien da Linha da Azul, poesia, pela Edições Incendiárias, e em 2018 A Lua nos Olhos de Maria, infanto-juvenil, prosa-poética, pelo Selin Trovoar.

Em 2018 também organizei uma antologia de contos juntamente com meu parceiro e escritor Luciano Portela, onde propomos para mais dez autores a composição de um conto que tivesse uma canção como pano de fundo, essa era a única regra. O resultado foi muito bom e no ano passado lançamos pela Editora Patuá esse livro que saiu com o título A Última Canção.

Nesse meio cultural-literário também tive o prazer de coeditar uma revista que sacudiu bastante o cenário por aqui em 2012, juntamente com os parceiros Mercedes Lorenzo e Rubens G. Pesenti. Chamou-se Rebosteio. E foi mesmo. Uma passagem da minha história que sempre lembrarei

com carinho. Temos tudo disponível na internet. Procurem que esse material vale muito a pena… No mais, eis-me aqui. Não tão onde gostaria de está, mas inteiro.

Conheça melhor Willian Delarte e sua obra nesses canais

http://williandelarte.blogspot.com/

Catalogo da Editora Patuá

https://www.youtube.com/watch?v=o9NzZiKZQqw

Selin Trovoar: https://www.facebook.com/selintrovoar/

Facebook Comments

Tags:,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Follow by Email
Facebook
Facebook
Twitter
Visit Us
Instagram